Mês de Março lilás: prevenção do câncer de colo do útero

Março lilás: prevenção do câncer de colo do útero

By 15 de março de 2019blog
diagnóstico prevenção câncer de colo do útero

De acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), depois do câncer de mama e do câncer colorretal, o câncer de colo do útero é um dos que mais afetam a população feminina, podendo até mesmo deixar a mulher estérea. Além disso, é o quarto tumor que mais mata mulheres no Brasil. No ano de 2018, por exemplo, foram registrados 16 mil casos.
Sendo assim, o Março Lilás foi criado com o objetivo de conscientizar o público sobre a doença. Quer saber mais? Continue lendo o texto a seguir:

Diagnóstico

Existem dois tipos de câncer de útero: carcinomas e adenocarcinomas. O primeiro geralmente acontece a partir do vírus HPV, enquanto o segundo é um tipo mais incomum, mas também apresenta o risco de se desenvolver. Também há situações onde as células cancerígenas podem estar juntas.
Há 20 anos, grande parte das pessoas com câncer de colo do útero descobria a doença quando já estava em um estágio avançado. Ao longo do tempo, o avanço tecnológico trouxe muitos benefícios para a medicina e hoje, 44% identificam o câncer logo no início.
Câncer de útero na gravidez
É raro, mas o câncer de colo do útero também pode surgir durante a gravidez. Dependendo do grau de gravidade, a gestação deve ser interrompida para dar início ao tratamento adequado. Contudo, se o médico responsável e a mãe optem por dar à luz, o parto precisará ser feito por meio da cesariana.
Causas do câncer de colo do útero
Como dito anteriormente, a principal causa é o HPV, mas há uma série de fatores que podem levar ao câncer de colo do útero. Entre elas:

• Relação sexual com múltiplos parceiros;
• Iniciar a vida sexual precocemente;
• Ter um parceiro que se relaciona com outras pessoas;
• Baixa imunidade;
• Fumar;
• Não cuidar da higiene íntima.

Sintomas

Vale ressaltar que os sintomas são muito parecidos com doenças comuns, o que dificulta o diagnóstico. Por isso, é importante estar sempre com os exames médicos em dia. Alguns sinais:

• Dor e sangramento fora do período menstrual;
• Problemas na bexiga;
• Corrimento;
• Verrugas na área genital;
• Dores nas pernas;
• Dores nas costas;
• Perda de peso repentina.

Tratamento

No estágio inicial são recomendados tratamentos como histerectomia radical (onde acontece a retirada dos linfonodos pélvicos), traquelectomia, biópsia em cone, radioterapia e braquiterapia. No segundo estágio, quando o tumor tem até quatro centímetros, é feita a retirada dos gânglios linfáticos pélvicos. Agora se a medida for maior, o indicado é realizar uma braquiterapia e radioterapia externa junto à quimioterapia com cisplatina. Se for detectado um estado mais grave, o útero deve ser retirado.
Já no terceiro, se o câncer tiver se espelhado, o tratamento deve ser feito de modo que os sintomas sejam amenizados e o paciente tenha acesso a melhores condições de vida. Neste estado são indicados radioterapia, quimioterapia e medicamentos como gemcitabina, paclitaxel e topotecano.

Março Lilás

2019 é o segundo ano consecutivo em que acontece a Campanha Março Lilás, onde são realizadas palestras, vacinações, testes e exames. Se prevenir é sempre a melhor opção, portanto, sua participação é muito importante. Preserve a vida e viva com sabedoria.
Aproveite e leia também: Fevereiro laranja: o mês de combate à leucemia

Leave a Reply