agosto 2019 - Belem Saúde
Monthly Archives

agosto 2019

Agosto Dourado semana da amamentação

Campanha Agosto Dourado: incentivo à amamentação no Brasil

By | blog | No Comments

Dedicado à amamentação, o mês de agosto é simbolizado pela campanha social “Agosto Dourado”. Para conscientizar pais e mães, tanto antes, quanto após a gestação, a proposta foi criada pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) na semana do aleitamento materno. A cor escolhida para essa representação significa o “padrão ouro de qualidade” do alimento.

Portanto, a campanha Agosto Dourado tem como objetivo sensibilizar profissionais e a população em geral para o estímulo deste ato de amor. A seguir saiba mais sobre os benefícios da amamentação.

Por que o leite materno é indispensável para o crescimento saudável do bebê?

Composto por todos os nutrientes e sais minerais que a criança necessita até os 06 meses de idade, o leito materno é o alimento mais completo e equilibrado que existe. Diferente dos demais industrializados, ele é formado por todas as proteínas, gorduras, vitaminas, açúcares, água, anticorpos e glóbulos brancos para prevenir doenças e infecções e contribuir para o equilíbrio e sustentação para a criança aprender a sentar, engatinhar e andar.

Além de aumentar o vínculo entre mãe e filho, previne a anemia, contribui para a formação do sistema imunológica, evita alergias, intolerância ao glúten e obesidade. O leite materno contém uma molécula chamada PSTI, que tem a função de proteger e reparar o intestino delicado dos recém-nascidos.

A sucção também é essencial para o desenvolvimento da arcada dentária do bebê. Em alguns casos, o alimento possui ômega 3 (que é de extrema importância para o crescimento de prematuros nos primeiros meses de vida).

Vale ressaltar também que os bebês que mamam até o sexto mês têm menos chances de desenvolver asma e artrite reumatoide, pois a proteína presente no leite maternal combate vírus e bactérias do trato gastrointestinal.

Benefícios do leite materno para as mães

  • Previne a mulher contra o câncer de mama e ovário;
  • Evita sangramento excessivo e anemia;
  • Auxilia no desprendimento da placenta, consequentemente ajudando para a volta do útero ao tamanho normal;
  • Elimina até 800 calorias por dia (contribuindo para a perda de peso dos quilos que a mãe ganha durante a gestação);
  • Protege a mulher contra doenças cardiovasculares;
  • Oferece sensação de bem-estar as mães;
  • Diminui a ansiedade;
  • Aumenta a segurança.

Até que idade a criança deve ser amamentada?

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o leite materno reduz o índice de mortalidade infantil. Embora a partir do 6° mês as crianças tenham que ser alimentadas com sopas e papinhas, o ideal é que a amamentação ocorra até os 2 anos de idade.

Agosto Dourado

Promovida pela OMS e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), em mais de 170 países, a Campanha Agosto Dourado é celebrada de 1 a 7 deste mês, na mesma semana em que é celebrada a Semana Mundial do Aleitamento Materno.

Agora que você já sabe mais sobre a Campanha Agosto Dourado, se junte a nós nessa missão e ajude a fazer com que mais mulheres se sintam confiantes e apoiadas neste gesto de amor.

Veja outra campanha celebrada neste mês de agosto: Campanha Agosto Lilás e o relacionamento abusivo em pauta

 

 

Agosto Lilás mês de combate à violência contra a mulher/relacionamento abusivo

Campanha Agosto Lilás e o relacionamento abusivo em pauta

By | blog | No Comments

Este ano a Lei Maria da Penha completa 13 anos e o Ministério Público Estadual (MPAL) promove a Campanha Agosto Lilás reunindo uma série de debates que buscam conscientizar a sociedade sobre a gravidade do relacionamento abusivo. Infelizmente, o número de vítimas que sofrem agressões físicas e psicológicas de seus parceiros não para de crescer. Para ter uma ideia, apenas no Brasil, 3 em cada 5 mulheres afirmam viver ou já ter vivido uma relação abusiva.

Brasil: um dos países mais violentos

Segundo dados do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), o Brasil está em 5° lugar quando o assunto é violência doméstica contra mulheres. Em meio aos processos judiciais, há cerca de um milhão de casos, sendo dez mil de feminicídio. Sendo assim, é de extrema importância discutir a temática publicamente. Continue lendo o texto a seguir e veja alguns sinais que te ajudarão a identificar um relacionamento abusivo. Mas antes, vale ressaltar que qualquer um está sujeito a ser a “vítima” do relacionamento abusivo, porém o mais comum é entre homens e mulheres, onde a figura masculina assume o papel de agressor. Tudo dependerá da questão de poder que uma pessoa exerce sobre a outra.

Afinal, o que é um relacionamento abusivo?

Muitos acreditam que o relacionamento abusivo se restringe a um indivíduo que agride fisicamente e a cônjuge que apanha, mas isso não é verdade. A agressão pode existir de diferentes formas e deixar marcas para o resto da vida, inclusive psicológicas. A violência verbal é mais difícil de ser identificada e é por essa razão que na maior parte das vezes até a própria vítima demora a assimilar o tipo de relação abusiva que está vivendo.

5 Sinais de um relacionamento abusivo: ações comuns entre o agressor e a vítima

1. Quer afastar o outro de tudo e de todos

Exige que a pessoa se afaste de determinados amigos e familiares buscando uma “justificativa” para tal controle. O plano é deixá-la sozinha e dependente apenas dele.

2. Culpa o cônjuge por tudo/manipulação

O abusador está sempre procurando uma maneira de manipular a situação e fazer com que o jogo vire, fazendo com que a outra pessoa se sinta culpada e peça desculpas por algo que não fez. Para conseguir o que deseja o agressor não hesita em fazer chantagens emocionais, chantagens e pressões psicológicas, principalmente com o que sabe que machuca a parceira, afinal, não se importa com o que ela sente e julga seus sentimentos como “bobagem” e baixando a autoestima da vítima.

3. Enxerga o outro como propriedade

Vê a pessoa como posse, querendo controlar tudo que ela faz e agindo com exaltação quando contrariado. Nesse cenário, as agressões, ofensas, xingamentos e humilhações são excessivos.

4. Controle e violência

O agressor quer controlar o dinheiro do casal e ditar com o que a outra pessoa pode ou não gastar, o que vestir e o que fazer. A vítima se sente intimidada e passa a pedir “permissão” para tudo, além de se sentir “pisando em ovos”. Cada ação é pensada de modo que o outro “não se zangue”, mas a realidade é que no relacionamento abusivo, os abusadores são imprevisíveis. A violência pode ser física, verbal e psicológica.

5. Ciúme excessivo/paranoia e invasão de privacidade

Está sempre na paranoia de que está sendo “traído”. Pedindo senhas, lendo mensagens, fuçando as redes sociais, perseguindo e não respeitando a individualidade da vítima. A falta de confiança e paranoia é justificada com frases como: “se não tem nada a esconder, não tem o que temer”.

Abuso é crime. Denuncie e peça ajuda discando 180 – a Central de Atendimento à Mulher, ou procure a Delegacia da Mulher mais próxima.

Gostou do artigo? Aproveite e compartilhe em suas redes sociais e acompanhe nosso blog: Belém Saúde